quarta-feira, 28 de novembro de 2007

O CATETER, A PRMEIRA QUIMIO E O FUTURO PRÓXIMO

OAT!!!!

BOA TARDE de 4ª feira, que o dia e noite de ontem foram duros e não me permitiram vir aqui como gostaria...

- Antes de partilhar um fait divers e a técnica que é muita - pobres bicharocos - obrigado Vera pela publicação mais do que oportuna do poema do Gedeão. É pensado e vendo as coisas assim que o Mundo pula e avança, como bola colorida entre as mãos de uma criança...:)

- Mas vamos à real: antes das 13 horas estava a dar entrada para o internamento no 6º piso da CVP, onde reclamei o mesmo quarto onde já ficara, no que fui bem sucedido - um quarto cheio de sol, vista fantástica para Monsanto e aeroporto, as e os enfermeiros super simpáticos como sempre.

- meia hora depois estava de bata e a ser levado para a Sibéria - leia-se bloco operatório - onde, pouco depois, estava a médica cirurgiã e sua equipa para dar inicio ao procedimento de implante sub-clavicular do cateter. A operação decorreu com anestesia local, comigo totalmente nu à excepção da bata hospitalar, tapado por um pano verde dos pés à cabeça, mas estava autorizado a pedir mais anestesia se fosse necessário, o que aconteceu uma única vez.

- Demorou duas horas mas correu lindamente, e neste momento sou detentor de um cartão chiquissimo que me identifica como um doente com implante de cateter prioritário no atendimento de urgência de qualquer hospital em caso de emergência! Helas!!!!

- Acabada a operação, a médica super simpática deu-me todas as explicações de natureza prática necessárias, e lá saio eu do bloco para a sala intermédia seguinte na minha caminha, onde reinava a mesma temperatura muito perto dos zero graus. Disseram-me que já tinham mandado buscar-me para ir para o quarto de maneira que, com a cabeça gelada e com uma pneumonia activa que teima em não passar, aguentei os primeiros 5 minutos de espera serenamente.

- Quando a espera chegou aos 10 minutos e a cabeça estava gelada e a transmitir a todo o corpo um frio muito desagradável, perguntei a uma das inúmeras senhoras de bata verde que passavam se não me arranjavam uns chinelos daqueles de papel, ao que me foi respondido que ali só tinham sapatos de borracha, que os outros teria no piso do meu quarto. Vai dai que o vosso amigo levantou-se da cama, nuzinho da silva e descalço, para se pôr em marcha pedestre para o quarto. Fui logo rodeado de 5 batas verdes perguntando o que estava eu a fazer. Perante o óbvio - ia para o quarto onde estava mais quentinho - uma das batas verdes gritou que eu não podia ir, que era proibido e que tinha de seguir as regras hospitalares. Como não creio que uma dessas regras seja deixar os doentes morrerem de pneumonia a seguir a uma operação porque os funcionários estão ocupados de mais para me levarem, disse à bata verde que se quisesse tentar agarrar-me podia mas que era provável que viesse de arrasto comigo...neste segundo e como que por artes mágicas surgem os maqueiros e um minuto depois estava no quarto. Que saudades de um pézinho de vento que eu tinha...não consegui fazê-lo com a dignidade que se impunha porque, lembrem-se, estava com aquelas batas que estão sempre a desapertar-se e por baixo estava como vim ao mundo, mas deu para relembrar os good old days :)

- De volta ao quarto tive uma série de visitas entre as quais o nosso Pedro VC, que levou as fotografias da corrida das 6 horas do Estoril em que participou em parceria com o Fernando Soares e com o Albino Abrantes, tendo a equipa ficado em terceiro lugar da sua classe, com direito a Pódio!!! Parabéns aos três e, Fernando, vai já pensando em explicar como se justifica aquela diferença de tempos que sabemos...:)

- Passei bem a tarde e comecei logo a levar uma injecção intra muscular de concentrado de vitaminas, depois 3 balões de soro injectados ultra rápido com uma máquina e com uns produtos para me hidratar, e depois então veio a própria quimio terapia que durou até cerca das 3 da manhã, porque a seguir aos produtos tóxicos (um deles pingou para a luva verde da enfermeira que ficou branca como se tivesse ido à lixívia) vieram mais uma carga de soros com produtos para tudo e mais alguma coisa.

- Imaginem bem como ficarão os bicharocos quando levarem com os produtos - um ficará a branca de neve e os outros todos ficarão os anões - não os 7 anões, mas tantos quantos eles forem....

- Está portanto escolhido o conjunto de produtos a utilizar para já, consensualmente pelo Dr. Carlos Carvalho e pelo Dr. Peter Harper, e o regime de tratamentos pareceu-me fabuloso quando mo disseram: 1 tratamento de duração de oito horas por cada 3 (TRÊS) semanas. Férias, isto são férias, pensei eu. Parece que afinal não é bem assim, estes venenos vão produzir os seus efeitos ao longo de todo esse tempo de intervalo, sendo que alguns só aparecem ao fim de dez dias...a ideia é ver para já como reajo eu,mas SOBRETUDO o Inimigo, a estas novas armas de combate. Por mim, e passado quase um dia, estou fresco como uma alface e não sinto nada de especial - nem falta de apetite, nem a pele a envelhecer e ficar com um camadão de borbulhas, nem outros do género - ainda me sinto o Cavaleiro monge :)

- E com estas me despeço até logo, sempre apoiado na Vossa Força, a Força desta Catedral que todos os dias aumenta e se propaga para mais longe, sem limites de espaço nem de tempo, porque para o Amor e para o Bem estes não existem. Para o que aqui se está a passar nem o céu é o limite.

Até logo,

BEIJOS E ABRAÇOS,

Salvador

22 comentários:

Maria João Carido disse...

Salvador,
Fico muito contente por saber que já ultrapassas-te mais uma etapa, que não deve ter sido nada fácil.
Gostava de ter visto a desrespeitares as "normas hospitalares",sempre com aquela determinação e "pinta", que impões.
Desejo-te o melhor!
Mtos Bjs
MJC

vera disse...

Querido Salvador
Podes crer que continuas e continuarás a ser o Cavaleiro Monge, sempre impecável.
A descrição que fizeste estava demais. Ri-me a imaginar-te qual Jack Nicholson no filme "Alguém tem que ceder", de bata de hospital...
Mostraste bem o teu temperamento ao pessoal que estava menos atento: gostei. Continuas a pôr os pontos nos iii.
Ainda bem que passou esta fase mais violenta do tratamento. Agora aproveita o descanso.
Aqui continuarei, fidelíssima à Catedral.
Um grande beijinho
Vera

É verdade, muitos parabéns ao Turista Acidental, que como já foi dito por vários, é um grande escritor. Só tenho pena de ser anónimo.

MTonnies disse...

Olhe que não Vera, olhe que não...( diz prái que é muito amigo do seu irmão )

Só tenho pena, eu também, de não ter assistido a esse número da rebelião contra as batas e demais focas fardadas que por aí pululam e que contribuem para que este País continue a funcionar medíocremente.

Cheguei mais tarde; só assisti, já à rave.

Salvador! Agora é chegada a batalha de sapa. Vão ser noites ao frio, na trincheira, sem saber quando estala o confronto, dias a fio. Agora é que é preciso ter força e coragem, pois a adrenalina das operações comando não vai estar - sempre - presente.

Agora, e como sempre, aqui estamos entrincheirados contigo. Tens frio, temos frio. Tens enjoos, temos enjoos.

A elas!

Anónimo disse...

Tio,

Tou a ver que para si, não há etapas dificeis..E quando as coisas começam a piorar, pelos vistos enfrenta os "problemas" como veio ao mundo!
Este blogue começa a precisar de fotografias!:)

Valeu a pena esperar por noticias!

FORÇA!

Um abraço,
Manel Cordeiro

Ana Cortez de Lobão disse...

Querido primão.

Acabo de ler as notícias e adorei o que li, alem de ter largado umas boas gargalhadas que à minha volta no gabinete pensaram que estava no computador a ver um filme cómico, e vieram umas curiosas espreitar mas afinal era um texto em verde!...perguntaram se era uma mensagem doutro planeta...disse que sim, mais ou menos...de certa forma...pode-se dizer...ALGUEM QUE VIVE NOUTRA DIMENSÃO!

Lindo! Lembrei-me logo daquele filme com o Jack Nicholson, em que chorei a rir ,claro, que tinha uma cena muito no género da tua de ontem...

Arrancaste portanto, com os "chutos" da quimio depois da "bomba" nuclear. Estás imparável e a aguentares tudo da melhor maneira. Coragem e força dás-nos tu a nós todos que aqui vimos a toda a hora!

muitos beijinhos e mimos
Ana



bjs

elvira carvalho disse...

Boa tarde Salvador! Mais uma etapa da batalha final foi ultrapassada. E é deliciosa a maneira como transcreve as peripécias da operação e da transgressão de regras hospitalares. Parece que está a descrever uma cena de algum filme cómico.
Aproveite todo o tempo que puder descansar. Provavelmente vai ter momentos menos bons em que vai precisar de todas as suas forças, e quanto mais forte estiver melhor.
Que Deus o proteja.
Um abraço

Repórter disse...

Oh Salvador, Amigo.
Entro aqui com uma seriedade incrível. Para ler e cimentar a ideia que tenho no que concerne à costumeira análise que sempre faço e, qual é o meu espanto, dou comigo a rir a bandeiras despregadas.
Isso não se faz, meu caro!!!
Não consigo parar de rir. E não é caso para menos.

Também já me aconteceu ter que "vestir" um desses fatos de gala, tipo Armani, de cor verde e ajustados ao corpinho. Que sensação, quase de absorção...

Bom, vou sair daqui, já. Caso contrário, o teclado deixa de funcionar, em face da descarga de lágrimas motivadas pelo riso.

Um abraço, Amigo Salvador.

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Grande Salvador

Mas que excelente relato aqui nos deixas. Com que humôr e com que força enfrentaste esta situação. FANTÁSTICO. E agora um conselho de quem tem um doutoramento nestas "artes". Nos próximos dias não abuses nem te canses até que te sintas completamente normal. A partir daí estás à vontade, podes fazer a tua vida normal.

Um abraço amigo

Zé Tomaz

Brancamar disse...

Boa tarde,Salvador
È como diz, aqui nem o céu é o limite,há o transcendente, o inexplicável...sobretudo na sua força.
Dizia o Principezinho de Saint- Exupéry que "só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos..."
Aqui todos podemos aprender a ver com o coração, todos encontramos muito do essencial...todos temos muito que lhe agradecer nesta troca mútua.
Gostei de saber que este primeiro ataque de quimioterapia fez mais mossas no inimigo e a si não lhe deu muitas maçadas.
Desejo-lhe uma noite descansada
Beijinhos
Branca

iw disse...

Querido Salvador,
Estou a ver que não sou só eu que me estou a rebolar de risota. Conseguiste fazer-nos rir a todos.
A tua descrição é fantástica!
Beijos
Isabel

Folque disse...

Grande Salvador,

Mais um batalha dura que foi ultrapassada e certamente ganha. Já oiço aqui em Sintra essa cãozarrada de bichos a ganir que nem uns perdidos. Os cães ... E vai um forte abraço muito emocionado por, mesmo após estas horas muitas duras pelas quais o meu Amigo passou, ainda teres fibra para nos contar com muito humor esta tua última experiência hospitalar. Muito bem ..., este teu exemplo mostra fantásticamente a tua têmpera que não vacila mesmo perante inimigos do quilate dessa cobarde bicharada.
Tem uma noite descansada, renova as forças que amanhã cá estaremos ao teu lado para não dar tréguas ao inimigo e enviá-lo para o raio que o parta.
Um abraço
João Folque

Teresa Onofre disse...

Obrigado pela descrição tão ilariante desde que te vestiram a bata!

Ri-me a bom rir, com as grandes gargalhadas que conheces!!!

Chamarem-te de Gigante não é por acaso!

beijinhos
Teresa Onofre

Pedro Ventura disse...

Salva

Realmente tu és único, nada que eu não soubesse.
Fazes a catedral rir até não parar.
Que lição nosso Campeão,Cavaleiro Monge vamos dar cabo deles.Como o nosso experiente primo Zé Tomás diz quando te sentires bem um pouco de fogo à peça mas com muita moderação

Abraço Mano

P.Ventura

Maria João Afonso disse...

OLá Salvador
Também eu me ri a bandas despregadas com a sua descrição hospitalar... Você é ÚNICO. Depois de todos estes tratamentos ainda conseguir escreve-nos com tanto humor e boa disposição é realmente admirável.
Tal como dizia a Elvira Carvalho, provavelmente vai passar por momentos menos bons em que vai precisar de todas as suas forças, e quanto mais forte estiver melhor.
Tente descansar o mais possível.
beijinhos
Maria João e Francisco Afonso

Luis Gomes Ferreira disse...

Mano. ÉS GIGANTE...

Adorava ter visto a cena no hospital. Agora já percebo, porque te põem na rua tão depressa. Esse pessoal de bata verde, não sabe quem é a prenda, pensam que já viram de tudo. Imaginem agora, o que pensarão os cabrões dos bichos, que achavam que tinham, cama, mesa e roupa lavada. Estão f*****s.
Força grande mano, manda-os, mamar na 5ª pata do....

Abraços.

Luis Gomes Ferreira

paulac disse...

Olá Salvador,

Também entrei aqui, algo receosa, para saber como teria corrido o processo hospitalar e passado um pouco estava a rir às gargalhadas com aquela cena delirante!!!
Você consegue transformar num sketch dos «Monthy Python» uma situação infeliz que diariamente ocorre nos nossos hospitais, sejam eles privados ou públicos !
Continue com essa força!!!
Um beijinho
Paula Cortes

Anónimo disse...

"ganda" Salvador!

É assim mesmo! mostrar a essa gente de "batinha verde" (que nunca a devia ter vestido ...)como é que "se canta na Sé"! Isso é que era bom! "Regras hospitalares"
Espero que já estejas a dormir um sono descansado para amanha acordares cheio de energia e com essa força e disposição contagiante quando te lemos!
bj
iam

Anónimo disse...

parabens salvador,cheio de lexivias e insecticidas,este livro está a ficar cada vez melhor,força e aproveita as férias (intervalos)um grande beijinho leonor m.breyner

madameopeneye disse...

Que bom que tens esse espírito assim para cima e nao perdes o ponto do observador que te dá esse distanciamento saudável...que bom que tens essa dose enorme de "gaiatice"...que alquimiza sempre para ouro...boa!!
...pois vim aqui mais uma vez saber de ti e aqui te deixo a minha admiração e muito boas vibrações...energia e luz...beijinhoo,Amelia Assis

Anónimo disse...

Querido salvador,

Que boas notícias,vejo que continuas cheio de força e de sentido de humor,fartei-me rir a imaginar a tua figura a fugires meio despido das batas verdes. dorme bem beijinhos pepax

Anónimo disse...

Muito bom Salvador. Imagino a argumentacao com as senhoras da bata verde...
Vais entrar numa nova fase da guerra. Tenho a certeza que a vais encarar com a mesma coragem, forca e determinacao que tens demonstrado.
Acho que nao eh pera doce a quimio e por isso vais precisar de toda a tua forca animica.
Se precisares de uma forca extra sabes que aqui na catedral estamos todos prontos para a guerra.
Abraco,
Pedro Silva Pinto

paulac disse...

Re-olá,

Só para rectificar uma gralha irritante: é «Monty Python» e não o que me saiu no texto acima.
Sorry!
Paula Cortes